Português

Por que escolher o PARTEC/UFC?

O PARTEC/UFC proporciona maior interação entre as empresas de base tecnológica e a Universidade. Alguns dados demostram a relevância da Universidade Federal do Ceará:
  • A UFC está presente em vários de projetos de extensão, pesquisa e ensino em cada um dos 184 municípios cearenses;
  • De acordo com o ranking divulgado em fevereiro de 2019 e elaborado pelo Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), órgão vinculado ao Ministério da Educação e Formação Profissional da Espanha, aponta a UFC como a 1ª colocada entre as melhores universidades do Norte e Nordeste;
  • Ocupa a 15ª posição de melhor universidade do país – NOTA 4 (MEC – 2018);
  • Ocupa a 19ª posição melhor universidade da América Latina – Ranking Web Universities (2019);
  • Ocupa a 10ª melhor universidade em Pesquisa – Ranking Universitário da Folha (2018).
  • Ocupa a 10ª melhor universidade em Pesquisa 7ª em internacionalização – Ranking Universitário da Folha (RUF – 2019)
  • Possui mais de 200 laboratórios de pesquisa que poderão ser usados pelas empresas instaladas no Parque. As atividades realizadas nestes ambientes favorecerão ainda mais o desenvolvimento de produtos e de serviços inovadores, além de ampliar a interação entre empresas e pesquisadores, criando um ambiente de compartilhamento de ideias e informações.
Além do potencial do capital intelectual da UFC, as empresas que se instalarem no PARTEC/UFC ainda contam com:

Apoio das Instituições Associadas NUTEC, EMBRAPA E PADETEC

Apoio do Centro de Empreendedorismo CEMP

Apoio da UFC Inova

Localização Estratégica

O PARTEC/UFC conta com uma boa localização sendo um ponto central de deslocamento para as principais áreas econômicas do estado:

  • Distância de 10 km do Aeroporto Internacional Pinto Martins;
  • Distância de 7 km do Polo de Inovação do IFCE (Instituto Federal do Ceará) – Embrapii;
  • Distância de 18 km do Distrito Industrial do Maracanaú;
  • Distância de 18 km do Data Center – Angola Cables (Fortaleza está localizada no ponto de encontro da passagem submarina dos cabos de fibra ótica)
  • Distância de 52 km da Companhia Siderúrgica do Pecém;
  • Distância de 48 km do Porto do Pecém.

Incentivos Fiscais

–  Lei Complementar Municipal nº 205/2015: Programa de Apoio a Parques Tecnológicos e Criativos de Fortaleza (PARQFOR)

Objetivo: fomentar o desenvolvimento sustentável econômico e tecnológico do Município, por meio de apoio a empreendimentos produtivos que desenvolvam atividades econômicas de base tecnológica e criativa, instaladas nas áreas de incentivo do Programa, tais como as Áreas Parques, Zonas Especiais de Dinamismo Urbano Social (Zedus) e as Instituições de Ensino Superior.

  • Redução de 100% do IPTU
  • Redução de 60% do ISS
  • Duração até 2035
– Lei Federal nº 11.196/05 (Lei do Bem) 

Objetivo: incentivar investimentos em inovação por parte do setor privado, buscando aproximar as empresas das universidades e institutos de pesquisa, potencializando os resultados em PD&I.

  • Redução no IR e CSLL: dedução de até 34% no Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido
  • Redução de 50% no IPI: na compra de equipamentos exclusivos destinados à P&D
  • Amortização/Depreciação: Amortização acelerada dos dispêndios para aquisição de bens intangíveis para P&D e depreciação imediata dos equipamentos comprados para P&D
Lei Federal nº 8.248/1991 Lei de Informática:

Objetivo: estimular  investimentos em atividades de PESQUISA E DESENVOLVIMENTO (P&D) DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO e que produzam bens de informática,  automação  e  telecomunicações  atendendo a  Processo  Produtivo básico – PPB, definido pelo MDIC e MCTIC (art. 1º do Decr. nº 5.906/06).

  • Benefícios fiscais relativos ao IPI
  • Suspensão do IPI na importação e compra local de matérias-primas, produtos intermediários e materiais de embalagem
  • Preferência na aquisição de bens e serviços de informática e automação por órgãos  e  entidades  da  Administração Pública  Federal, direta ou indireta

 Atrativos Econômicos e Regionais

O Produto Interno Bruto (PIB) do Ceará, no primeiro trimestre de 2019, fechou em 0,20% em relação a igual período de 2018, quando o índice ficou em 3,02%. No acumulado dos quatro últimos trimestres a alta atinge 0,21%.  Caso se confirme, o resultado este ano do Ceará será superior ao esperado para o Brasil, que é de 1%. O PIB do Brasil no primeiro trimestre de 2019 foi de 0,5 em relação ao primeiro trimestre de 2018. Os dados da economia cearense foram divulgados, nesta quarta-feira (19 de Junho), pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Ceará.

Dos três setores que compõem o PIB – Agropecuária, Indústria e Serviços – o primeiro apresentou crescimento de 3,15% por cento no primeiro trimestre de 2019 em relação a igual período do ano anterior, quando fechou em 37,24%. Portanto, a agropecuária – mesmo levando em consideração que é, dentre os três setores, o que tem menor peso no cálculo do PIB (4,49% de participação) – apresentou melhor desempenho, contribuindo para o desempenho do Índice. O resultado, inclusive, também superou o nacional, de -0,1% no mesmo período. Já o setor Serviços apresentou, no primeiro trimestre de 2019, o segundo melhor resultado, com 0,56%, enquanto que em igual período de 2018 o índice foi de 1,69%. No segmento, o destaque foi o Comércio, com 1,67%, seguido por Administração Pública, com 0,40%; Transportes, com 1,18%, e Intermediação Financeira, com 0,14% (Ipece, 2019)

Fonte: Revista FIEC 2018

A análise do desempenho do comércio exterior cearense em 2018 traz boas notícias para a economia e a indústria do estado. De acordo com o Ceará em Comex, estudo realizado pelo Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), o valor exportado de janeiro a julho somou mais de US$ 1,27 bilhão. Esse montante é 12,9% superior ao registrado em 2017 e o maior dos últimos 20 anos, fazendo o Ceará ultrapassar Pernambuco e conquistar o terceiro lugar no ranking dos estados que mais exportam no Nordeste e o 14º no Brasil.

Na avaliação da gerência do Centro Internacional de Negócios da FIEC,  embora os produtos siderúrgicos dominem as exportações cearenses com cerca de 60% do que é vendido pelo Ceará para outros países, o estado vive um momento de reconfiguração de seu comércio exterior. Mais países compram os produtos cearenses, a exemplo da Turquia e do Canadá, e novos itens ganham peso na pauta exportadora, como as pás para geradores. O estudo Análise do Comércio Exterior dos Municípios Cearenses indica que, em relação aos setores exportadores que ganharam destaque no primeiro semestre de 2018, Icapuí obteve um resultado expressivo nas exportações de frutas, especialmente melões e melancias. A cidade ocupa a 6ª posição no ranking das exportações cearenses por município, com um notável crescimento de mais de 400% em relação ao mesmo período em 2017. Holanda e Reino Unido são os principais compradores das frutas. Eusébio vende cera de carnaúba e compra produtos de ferro ou aço no qual a China é o principal parceiro tanto nas exportações quanto nas importações. Fortaleza participa com 8% do valor exportado pelo Ceará sendo a castanha de caju é o item mais exportado e onde as importações de helicópteros e aviões cresceram 700% no ano. Caucaia tem pás de geradores eólicos, rochas ornamentais e cera de carnaúba como os principais destaques nas exportações, sendo os EUA são principal destino dos produtos. Quixeré destaca-se pelas importações que cresceram mais de 20 vezes sendo os painéis solares da China os produtos mais comprados do exterior.

É importante salientar que Fortaleza ficou em 6º lugar no ranking das melhores cidades brasileiras em mobilidade urbana e acessibilidade, realizado pela Urban Systems, sendo a cidade melhor colocada dentre os municípios do Nordeste (2017). A Urban Systems, empresa especializada em pesquisas para levantar tendências em cidades e mercados, avaliou mais de 500 municípios brasileiros para formar o ranking Connected Smart Cities com os 50 melhores nas seguintes categorias: mobilidade e acessibilidade, urbanismo, meio ambiente, energia, tecnologia e informação, saúde, segurança, educação, empreendedorismo, governança e economia. Cidades inteligentes é uma das vocações do Parque tecnológico da UFC.

O turismo em Fortaleza tem sido um dos responsáveis pelo crescimento da economia local. A movimentação de turistas internacionais no Ceará aumentou cerca de 8,95% em uma década. Segundo dados do Departamento da Polícia Federal e do Ministério do Turismo, publicados no Anuário Estatístico de Turismo 2019 – Ano Base 2018 divulgada neste mês, o número de visitantes de diversos locais do mundo eram de 98.590 em 2008 e passou para 107.420 em 2018. De acordo com dados da Secretaria de Turismo do Ceará (Setur), um ano após o inicio das operações do hub da Air France/KLM, a quantidade de turistas ao Estado cresceu. De maio de 2018 até março de 2019, a movimentação de passageiros internacionais subiu 103% no Aeroporto de Fortaleza em comparação com o mesmo período do ano anterior.

A França é hoje o maior mercado internacional do Ceará. A Itália aparece em segundo lugar, seguida pela Alemanha. Argentina vem em quarto, Portugal em quinto e Holanda na sexta colocação. Fora da Europa, o Ceará recebe ainda visitantes dos Estados Unidos, Colômbia, Cabo Verde e Canadá. A renda per capita do turista estrangeiro é de R$ 5,1 mil e a permanência média é de dez dias.

 

 

A produção cultural de Fortaleza é expressiva, tanto na área de comunicações, quanta na área de criação artística e intelectual.  O município conta com excelente infraestrutura para a realização de convenções, congressos e outros eventos comerciais, culturais e científicos. Neste conjunto, destaca-se claramente a UFC.

Este resumido panorama expõe a capacidade empreendedora e a cultura inovadora do Ceará, de Fortaleza e em particular da UFC e deixa claro o nosso real potencial para abrigar e/ou gerar atividades econômicas (produtos e serviços) baseadas no conhecimento, na ciência e na tecnologia.